Mulheres são a maioria do eleitorado e número de candidaturas femininas aumenta em 2020

Categoria: Cidadania, Subs Mulher | Publicado: terça-feira, setembro 29, 2020 as 09:38 | Voltar

Uma primeira prévia do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informa que houve aumento no registro de candidaturas de mulheres e de negros na disputa às Prefeituras e Câmaras Municipais. Em análise às estatísticas publicadas pelo site na segunda-feira (28.09), a informação é de que dos 546.036 pedidos computados, cerca de 180 mil são mulheres – o que corresponde a cerca de 33%. Esses dados preliminares do TSE mostram um aumento nas candidaturas femininas, haja vista que esse índice não havia passado de 32% nas eleições anteriores.

Em Mato Grosso do Sul, o levantamento aponta 8.523 pedidos de registros de candidatura, dos quais 2.907 são de mulheres. Em Campo Grande, são 273 candidatas, sendo 2 para Prefeitas, 9 para Vice-Prefeitas e as demais concorrem às 29 cadeiras da Câmara Municipal. Outras 31 mulheres concorrem ao cargo de Prefeitas em 28 municípios do interior.

A Subsecretária de Estado de Políticas para Mulheres, Luciana Azambuja, destaca que o interesse das mulheres pelas questões políticas tem aumentado ao longo dos últimos anos, o que se comprova pelo aumento das candidaturas, mas ainda é baixa a representação nos parlamentos municipais, citando como exemplo a Câmara Municipal de Campo Grande: “Aqui na capital, um município com população aproximada de 900 mil pessoas e 51,5% de mulheres, temos apenas duas vereadoras – o que representa uma ocupação inferior a 7%. Precisamos de mais mulheres nesses espaços de poder e temos a oportunidade de fazer essa mudança nas próximas eleições, garantindo a efetiva democracia representativa”.

Sobre as candidaturas no panorama estadual, a subsecretária informa que, de acordo com levantamento preliminar da página do TSE, aproximadamente 34% das candidaturas registradas em Mato Grosso do Sul são de mulheres: “Estamos vendo um percentual de candidaturas superior àquele determinado na chamada “quota de gênero” imposta pela lei federal nº 9.504/97, mas precisamos trabalhar e fiscalizar para que essas candidatas estejam verdadeiramente imbuídas do senso cidadão de concorrer em condições de elegibilidade, que não sirvam apenas para cumprirem a quota. Nós, mulheres, somos 52,5% do eleitorado brasileiro, o que demonstra a importância do reconhecimento e valorização da nossa participação na política, pois somos a maioria e, repito, podemos fazer a diferença numa eleição”.

Buscando medidas para incentivar a participação da mulher na política, a Subsecretaria de Estado de Políticas Públicas para Mulheres (SPPM/MS) tem realizado seminários e workshops gratuitos e com transmissão pelo facebook, permitindo o acesso livre a todas as pessoas interessadas. No mês de julho o seminário “Transformando a Política: Mulheres no Poder” reuniu em dois dias de atividades, especialistas e representantes da Escola Judiciária Eleitoral do TRE, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, do Ministério Público Estadual, da Procuradoria-Geral do Estado, além da ex-senadora Marisa Serrano, da senadora Simonte Tebet e das deputadas federais Bia Cavassa e Rose Modesto, que contribuíram com suas experiências vividas no dia-a-dia.

Em setembro uma rodada de três workshops encerra a proposta de discutir temas como a participação da mulher na política – desafios e superação, fakenews em eleições e uso inteligente das redes sociais e, nessa quarta-feira (30.09), falaremos sobre a importância de termos mais mulheres na política e sobre o papel da vereadora: atribuições e competências, contando com a participação da advogada Ana Arminda Garcia dos Santos e da secretária nacional de políticas para mulheres, Cristiane Britto, que assim se manifesta sobre o tema: “O Brasil precisa superar o cenário de sub-representação das mulheres na política, pois alcançar esse patamar implica aumentar a qualidade da democracia representativa, levando a política brasileira a um nível de harmonia entre representantes e representados condizente com a grandeza do eleitorado feminino. Quando as mulheres, além de serem esposas, mães e profissionais, conseguem conquistar mandatos políticos e cargos públicos, têm, aliadas às políticas públicas aplicadas em várias vertentes, maior chance de atuar para dirimir obstáculos que contribuem para afastar outras mulheres da política e da vida pública”.

A secretária Cristiane Britto lembra que recentemente a Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres lançou a cartilha “Mais Mulheres na Política”, com o objetivo de engajar as mulheres na disputa e subsidiá-las com informações para suas candidaturas. Para leitura da cartilha, acesse aqui.

 

SERVIÇO

III Workshop Mais Mulheres na Política 
Dia: 30 de setembro
Horário: 9h às 11h
Local: Facebook @SubsMulheres

O workshop é aberto a todas as pessoas interessadas.

Publicado por: Jaqueline Hahn Tente

Utilizamos cookies para permitir uma melhor experiência em nosso website e para nos ajudar a compreender quais informações são mais úteis e relevantes para você. Por isso é importante que você concorde com a política de uso de cookies deste site.